• O Laboratório de Estudos de Dípteros (LED) realiza pesquisas em ecologia, biologia e controle alternativo de Diptera (com ênfase na família Calliphoridae) e Hymenoptera (com ênfase na família Pteromalidae). O LED é coordenado pelas professoras Dra. Valéria Magalhães Aguiar Coelho e Dra. Cláudia Soares Santos Lessa e é composto por uma equipe multidisciplinar de graduandos, mestrandos e doutorandos em biologia, biomedicina, enfermagem e medicina. Estamos situados na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO (Instituto Biomédico - Rua Frei Caneca, 94, Centro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. CEP 20211-040).
  • Blog Stats

    • 6,905 hits
  • Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

    Junte-se a 3 outros seguidores

Terapia larval: O uso de larvas na Medicina

O que é?

Terapia larval, terapia com larvas medicinais, biocirurgia, bioterapia ou biodesbridamento é a utilização de larvas de moscas necrobiontófagas (que se alimentam exclusivamente de tecido necrosado) no tratamento de diferentes tipos de feridas. Estas larvas atuam removendo o tecido necrosado, estimulando o tecido de granulação e promovendo a descontaminação microbiana.

Larvas de diferentes espécies já foram utilizadas na terapia larval, no entanto, a mais utilizada é Lucilia sericata (Meigen, 1826), muito comum em países do hemisfério norte. No Brasil, espécies como as do gênero Chrysomya (Robineau-Desvoidy, 1830) apresentam potencial para a mesma utilização, visto que possuem aspectos biológicos e comportamentais semelhantes à L. sericata. Na Colômbia, pesquisadores já desenvolvem estudos utilizando Lucilia eximia (Wiedemann, 1819) em pacientes1.

Chrysomya megacephala, fêmea (à esquerda) e macho (à direita), uma das espécies existentes no Brasil com potencial para utilização em terapia larval.

Chrysomya megacephala, fêmea (à esquerda) e macho (à direita), uma das espécies existentes no Brasil com potencial para utilização em terapia larval.

Histórico

Ao longo da história, o homem tem buscado formas diversificadas e naturais para tratar suas feridas, com o objetivo de diminuir a dor e o tempo de cicatrização. A utilização de larvas de certas espécies de moscas na limpeza de feridas é conhecida há séculos. Civilizações antigas como tribos aborígenes da Austrália2, habitantes do Norte de Mianmar3 e os Maias na América Central já utilizavam os benefícios desta técnica4.

A terapia larval foi utilizada de forma intencional pela primeira vez nos Estados Unidos em 1931, por William Baer, cirurgião ortopédico no Hospital Johns Hopkins. Durante a primeira grande guerra, Baer observou que feridas infestadas por larvas de moscas nos soldados que eram recolhidos nos campos de batalha apresentavam melhora significativa em relação aos outros, devido à ação de desbridamento (remoção no tecido necrosado) realizada naturalmente por essas larvas.

Com base nessas observações, 10 anos mais tarde, ele repetiu o mesmo princípio no tratamento de pacientes acometidos com osteomielite. Apesar do êxito obtido (sucesso em 90% dos casos), a utilização dessa técnica teve de ser interrompida, já que alguns pacientes apresentaram tétano. Foi então que pesquisas visando a desinfecção das larvas e a esterilização de ovos das moscas começaram a se desenvolver.

A terapia com larvas medicinais foi utilizada rotineiramente até meados da década de 40 em mais de 300 hospitais. No entanto, com o advento dos antibióticos e o aperfeiçoamento das técnicas de desbridamento cirúrgico, a terapia larval foi considerada obsoleta até o início de 1980. Nesse período, devido ao aumento de pacientes com feridas necróticas e pés diabéticos e também pela resistência das bactérias a inúmeros antibióticos, a terapia larval voltou a ser utilizada nos Estados Unidos, Reino Unido e Israel5. Atualmente, a terapia larval é utilizada em mais de 30 países ao redor do mundo e cerca de 24 laboratórios fornecem larvas estéreis para esse tipo de tratamento. No Brasil, vem sendo estudados mecanismos para esterilização de ovos e desinfecção de larvas de diferentes espécies, no entanto, o procedimento ainda não foi aplicado em pacientes.

Referências bibliográficas

1 ECHEVERRI, M.I.W.; ÁLVAREZ, C.R.; HIGUITA, S.E.H.; IDÁRRAGA, J.C.W.; FRANCO, M.M.E. Lucilia eximia (Diptera: Callphoridae), uma nueva alternativa para la terapia larval y reporte de casos en Colombia. Iatreia 23: 107-116. 2010.

2 DUNBAR G.K. Notes on the Ngemba tribe of the Central Darling River of Western New South Wales. Mankind; n. 3, p.177–80, 1944.

3 GREENBERG, B. Flies and Diseases: Biology and Disease Transmission. Vol II Princeton University Press, Princeton, NJ, p. 740 , 1973.

4 WEIL G.C. ; SIMON R.J. ; SWEADNER W.R. A biological, bacteriological and clinical study of larval or maggot therapy in the treatment of acute and chronic pyogenic infections. Am. J. Surg.; nº 19, p.36–48, 1933.

5 MUMCUOGLU K.Y.; INGBER A.; GILEAD L.; STESSMAN J.; FRIEDMANN R.; SCHULMAN H. Maggot therapy for the treatment ofintractable wounds. International Journal of Dermatology 1999; 38(8):623-627.

.

Autores

Adriana Cristina Pedroso Ferraz

Analu Bento

Bárbara Gadelha

Daniele Lourinho Dallavecchia

Valéria Magalhães de Aguiar Coelho

Anúncios

Uma resposta

  1. Na verdade, o que eu gostaria de saber é se esse tipo de tratamento não é doloroso para o paciente, uma vez que ao serem colocadas no ferimento as larvas ficarão se movimentando.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: